•00:46
Durante o período menstrual somos chamadas a olhar profundamente para nosso corpo, muitas sentem o grito desesperado de seu ventre pedindo descanso, as dores são terríveis, tudo fica desastroso, o sangue jorra sem parar e tudo vira um caos. É assim que nosso corpo se comporta quando estamos desconectadas de nós mesmas.

O sangue menstrual é um ritual mensal, não podemos eliminá-lo de nossas vidas, ele faz parte do nosso tempo de mulher, onde devemos desacelerar e cuidar de nós mesmas, cuidar dos pequenos detalhes que não damos importância nos dias que correm... aquele cuidado interno, de introspecção, de meditar sobre tudo que se passa a nossa volta e, principalmente, de resgatarmos nossa conexão psíquica e espiritual com nossa alma.

Não precisamos fazer grandes rituais, apenas nos conectar com nossa essência e respeitar este ciclo sagrado que nos acompanha e nos traz a possibilidade de renascimento interno, permitindo darmos a luz a nós mesmas.

Muitas mulheres sofrem durante a menstruação ficando extremamente perturbadas, simplesmente porque perderam a conexão consigo mesmas, não se lembram mais o que esse período representa em suas vidas. Ao invés de explorá-lo, acabam desconsiderando esse fato; este poder, que se expressa em forma de sintomas desconfortáveis, poderia atuar de forma mais tranqüila e menos perturbadora se trouxessem a consciência do momento presente para suas vidas.

Esses sintomas são apenas uma manifestação superficial de uma perturbação mais profunda que pode ser causada por uma disfunção hormonal, deficiência nutricional, problemas emocionais e, nesse período, acessamos nosso inconsciente através do corpo, e faz com que nosso fluxo seja mais leve ou pesado, com mais dor ou menos dor. Esses sintomas são portadores de informações sutis que nosso corpo absorve e precisa expelir em algum momento, se não em muitas vezes vira uma doença, e uma das principais causas disso são as emoções não demonstradas, onde guardamos muitas mágoas e não conseguimos elaborar o que precisa ser liberado.

Conexão do útero com o inconsciente - A síndrome pré-menstrual que afeta a maioria das mulheres e que traz a tona irritabilidade, agressividade, ansiedade, mudanças de humor, entre outros casos mais graves, em grande parte são emoções contidas que são liberadas através desse portal que se abre permitindo a liberação dessa energia. E isso serve de alerta para fazermos um questionamento sobre nossa vida e sentir internamente: O que eu gostaria de estar fazendo nesse momento? Que coisas estão trancadas na garganta e não consigo falar? O que eu gostaria de experimentar? Estou contente na minha profissão, com a vida que tenho? Estou me permitindo ser feliz? Essa e outras perguntas devemos fazer sempre para nos tornarmos conscientes da nossa própria vida.

A conexão do útero com o inconsciente é uma dádiva do tempo da lua.
A sabedoria ancestral das mulheres está ligada ao útero e essa energia se espalha trazendo a consciência corporal devidamente sagrada para nosso momento de ser mulher, desperta nossa capacidade de nos conscientizarmos das diferentes partes do nosso corpo e das sensações físicas causadas quando estamos em desarmonia.

Nossa cultura valoriza e prioriza horários e compromissos tendo como base a eficiência industrial e não as necessidades do nosso corpo, somos obrigadas a ir trabalhar mesmo estando indispostas, com resfriados, cólicas, dores de cabeça, temos que suportar a dor e mostrar domínio sobre o nosso corpo mesmo estando desonrando a nós mesmas.

Nesse período de purificação, permita-se não fazer nada, ouça a mensagem do seu corpo pedindo para parar, ouse se retirar e se conectar com os antigos conhecimentos adquiridos, fazendo essa interrupção natural para o descanso e a revitalização do corpo e da alma, conservando sempre uma atitude de amor por si mesma, de respeito, de entrega, amor pela realidade de ser mulher e, aos poucos, o equilíbrio se tornará constante em sua vida.

|
This entry was posted on 00:46 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

1 comentários:

On 22 de março de 2010 01:01 , Simone Alves disse...

Fique a vontade para comentar sobre o artigo... Grata.